[Hilth] Boot Camp c/ Adrian Villar – FOI LOUCO D+

Até agora a experiência mais insana de toda minha vida.Com praticamente nenhum dinheiro no bolso eu peguei o pouco que tinha e fui para o Rio de janeirofazer o Boot Camp com Adrian Villar e conhecer o famoso Sasha Daygame.


Confesso que durante a viagem eu senti medo do que estava fazendo. Medo de não encontrar um lugar pra ficar, medo de passar vergonha diante dos PUA’s do Rio de Janeiro, mas logo deixava isso de lado, afinal, medo não resolve nada. Na sexta-feira à noite eu fui para o Rio e cheguei lá no sábado por volta das 11hs. A viagem foi enorme. 17 horas dentro de um ônibus não é pra qualquer um. Logo que cheguei liguei para Adrian Villar e encontrei com ele no shopping Rio Sul, na zona sul do Rio. Lá ele estava almoçando com Sasha Daygame e Danilo e Miguel.

Meu primeiro amor no Rio de Janeiro
Conversa rápida, Danilo imaginando o quão beta eu devia ser, Adrian Villar observando minha atitude, Miguel comendo normalmente e Sasha Daygame implorando para que falássemos em inglês e não o deixasse por fora do assunto. De cara notei que Sasha Daygame era um figurão hilário. Eu não sou nenhum mestre, mas também não sou inexperiente. Posso abordar qualquer mulher que eu quiser em qualquer lugar. Eu não estava lá para aprender a abordar mulheres, mas sim para aprender a seduzi-las de fato.

Isso foi o que eu quis aprender com eles ali. Horas depois deixamos Sasha no prédio onde ele deu a palestra pra seus alunos e fomos para o segundo dia do boot camp. Era o meu primeiro dia, afinal, eu havia perdido o night game de sexta-feira à noite por que estava na estrada. Algum tempo de espera e fomos sentar em frente a uma lanchonete cara, aconchegante. Logo que chegamos eu vi um 3-set com duas garotas e um cara esquisitão. O cara tinha o cabelo longo como o de uma garota, logo, era motivo de zoeira entre nós. Mas esse cara não era nem de longe o centro da minha atenção. Fiquei fascinado com a ruiva que estava junto com eles. Era linda. *-*

Fiquei olhando pra ela por cerca de dois minutos enquanto esperávamos os outros caras que fazíamos o Boot Camp, mas houve uma hora que realmente não resisti. Levantei e fui lá falar com ela. Cheguei a eles me apoiando sobre a mesa calmamente, desarmei o cara do grupo cumprimentado-o antes de todos e disse a Ruiva:

Hilth: Olha, vou ser direto contigo, quando cheguei aqui te observei e te achei realmente muito linda e quero te conhecer agora mesmo. Qual o seu nome?

O pessoal na mesa ficou desacreditado, não sei o que os caras do BootCamp pensaram, mas eu só pensava em uma coisa: Eu queria aquela ruiva.

Durante a interação tanto a amiga quanto o cara ficaram calados enquanto eu ia procurando conhecer a ruiva, mas instantes depois outro cara do boot camp aparece do nada com a intenção de me ajudar, mas faz exatamente o contrário.
Nem ouvi o que ele falou, mas nesse instante a coisa meio que virou um pequeno desastre. Eu poderia lidar com meu amigo do BC, mas não pude lidar com o telefone da garota tocando e levando-a a sair. Ela se foi com seus amigos e, educadamente, me desejou boa sorte. A meu ver, ela sacou que não seria a ultima garota que eu ia abordar naquele dia. Uma pena... (Porra, eu achei ela muito gostosa)

Então durante o resto do dia eu e os caras do Boot Camp fomos conhecendo várias e varias garotas pelo shopping e pelas ruas. Tantas que mal consigo lembrar de todas.

Gringas por todos os lados '-'
Uma das garotas que mais gostei foi uma gringa chamada Rosa [pronunciava-se rôsá]. Originalmente que foi falar com ela foi meu wing, mas ele desistiu logo que percebeu que ela falava inglês. Eu, entretanto, fiquei lá conversando com ela com meu inglês ruim mesmo. Eu estava encantado ela. Os olhos verdes, o corpo perfeito, os seios, que gringa gata! E por mais que meu inglês fosse ruim ainda conversamos de forma divertida por bastante tempo. Peguei o facebook dela e voltei as aulas.

Essa é a Rosa

Ainda conversei com mais umas 4 gringas nesse dia. Elas são muito divertidas... Ou talvez seja o meu inglês ruim que as deixa tão divertidas... Sei lá.

Durante cada interação Adrian corrigia os alunos em seus erros. Instruianos sobre as melhores formas de chegar e foi me instruindo sobre os meus erros que eram não Kinar e não demonstrar interesse real na garota imediatamente durante o direct. Ficou claro pra mim que se eu chego diretamente na garota não pode ser "apenas uma conversa", mas ela tem que sentir que a desejo, pois assim ela sentirá desejo. Durante todo o treinamento Adrian me alertava sobre isso, pontos os quais fui buscando melhorar durante cada nova mulher que eu conhecia ali.

Zoeira, aprendizado e diversão
Em um determinado instante vi um dos alunos abordando uma mulher feia do lado de fora do shopping. Ela estava dando um fora nele e eu não pude deixar barato. Cheguei perto do cara e interrompendo suas investidas disse em alto e bom som para que a garota feia escutasse minha voz: 

Hilth: Cara, deixa essa mulher de lado, ela é muito feia.

Não sei qual foi a cara dela, mas eu e ele ficamos rindo muito disso. kkk Uma das melhores interações foi uma garota de cabelo curto estilo nerd e meio tímida que Danilo apontou dizendo ser “meu tipo de garota”. Ele estava certo. Algo naquele tipo de garota me atrai. Fui conversando com ela e administrando a suave timidez dela. Tendo chegado diretamente fui brincando com o fato de ela olhar pouco nos meus olhos e fui fazendo ela olhar pra mim. Houve um instante que a abracei pra iniciar o Kino, já que era algo em que eu falhava.

Ao final, quando fui me despedir dela, anotei o facebook e beijei a bochecha dela uma vez. Ela buscou meu rosto para dar outro beijo, mas não acho e ficou meio que no vácuo. Eu brinquei e disse que ela poderia dar o segundo beijo. Nesse instante tentei roubar um beijo dela, mas não fui sagaz o bastante. Danilo me alerto do que eu sabia ao deixá-la ir: Dava mesmo pra pegar. Peguei vários contatos de mulheres nesse dia, mas isso não me satisfez. Esclarecedor mesmo foram as dicas de Adrian ao me instruir sobre chegada e kino, sem contar que ele ainda deu alguns toques sobre como lidar com amog’s.

Ao final desse dia fiquei bem satisfeito com o que aprendi ali. Era suaves dicas que eu não enchergava durante meu dia a dia. Os outros alunos pareciam mais felizes do que eu por que tinha mais a aprender. Obviamente, como eu praticamente não sinto AA quando estou me divertindo, fiquei meio de lado, basicamente servindo de diversão para Danilo que não me deixava ficar sem abordar mulheres durante todo o dia. Mais tarde também fomos conhecer mulheres na praia, e anotei ainda mais contatos de facebook e telefones em meu celular. Interação após interação e eu conseguia chegar a algumas novas idéias sobre mim mesmo e meu charme. Sem contar que conhecer o mar pela primeira vez foi uma experiência única. Pra mim, que nunca o vi antes, foi simplesmente fantástico.

Finalmente... Meu ponto fraco sendo curado
Durante o night game fiquei surpreso com o simples fato de finalmente ter me divertido durante um night game. Em Brasília é algo que simplesmente não consigo fazer por que as baladas nunca tocam algo que eu gostou ou as pessoas são sempre fechadas demais, com baixa energia. Por isso sempre sai pra conhecer garotas durante o dia, pelo simples fato de odiar as baladas de Brasília.


Adrian Villar me surpreendeu. Na noite estava apenas eu e outro aluno, os outros decidiram não vir (talvez por já terem tido aula em night game na sexta a noite) Adrian colocou os braços sobre nossos ombros e disse:

Adrian Villar: Bom, primeiro não vamos dar direct em ninguém, vamos fazer social proof chegando com a energia alta, maior que a dos grupos, conhecer todo mundo, vamos nos divertir apenas. Durante isso escolham as garotas que vocês querem closar e somente depois de se divertir bastante e fazer social proof vocês vão dar o direct. Certo?

Feito isso ele mergulhou na multidão e foi dançando com todas as pessoas do local, estourado balões, simplesmente se divertindo. Depois de observa-lo um pouco comecei a andar com minhas próprias pernas e fiz o mesmo. Meu wing, meio acanhado, foi seguindo a minha vibe até poder jogar sozinho entre vários grupos de pessoas também. Me diverti pra caramba nesse instante.

Mais tarde eu closei uma loira coroa e meu wing closou a amiga dela, uma branquinha de cabelo perto e sorriso lindo. Eu não havia me dado conta de que a coroa loira era realmente tão coroa... Dois graus de miopia numa balada escura e eu me senti um idiota. A coroa era até gatinha, mas depois de brincar bastante com ela não queria me largar e eu queria ir pegar outras. A primeira da noite não tinha sido tão bonita nem pra mim nem para meu wing (que closou uma gordinha de rosto bonito). A velha não me soltava e meu wing estava claramente muito bem com aquela gata. Ao final ficou por isso mesmo. Sai pra conhecer garotas na lapa, mas já estava destruído de tão cansado.Voltei para o hotel e tentei dormir um pouco.

Fim de Boot Camp, papo tranquilo, piscina e adeus Rio
No outro dia apenas repetimos o daygame e mais algumas novas dicas foram colocadas. Nesse caso o treino foi mais focado em sets em movimento, o que na maior parte das vezes era um grande problema. O objetivo era conseguir um encontro instantâneo, mas eu estava cansado e com a vibe baixa, logo, nem consegui nada. Ao fim Adrian Villar nos deu pequenos toques sobre visual e estilo de forma bem corriqueira mesmo, falando sobre camisas e acessórios e sobre a influencia disso inicialmente. Então voltamos para o prédio onde Miguel mora. Lá tomamos um banho na piscina e eu fui embora depois de conversar bastante com Adrian Villar. Apesar do Rio ser maravilhoso eu estava ansioso pra voltar pra casa. Jantei na rodoviária e fiquei esperando o ônibus das 9hs. Depois de comer eu estava um pouco mais de boa enquanto refletia sobre o que havia aprendido no BC.

Fuck Close no ônibus? Será que rola isso Hilth?
Eu estava conversando corriqueiramente com uma mulher gorda que precisava de ajuda com as bagagens (que eram muitas). Então, enquanto desfilava de ansiedade eu reparei que uma garota lindinha, toda bronzeada, cabelos curtos e voz sensual estava pedindo informações para as pessoas por lá. Fui chegando mais perto enquanto continuava minha caminhada para lugar nenhum e percebi que ela fez a seguinte pergunta:

Garota: Qual desses ônibus é o que vai para Brasília as 9hs?

Eu vi que as pessoas não conseguiam responder com precisão, então, olhei pra ela e disse de forma meio marrenta (com a intenção de chamar a atenção dela):

Hilth: Relaxa, nenhum desses é o ônibus. Ainda vão estacioná-lo aqui.

Fui saindo enquanto ela tentava me agradecer. Então, como minha caminhada consistia em dar alguns passos e depois voltar, passei novamente na frente dessa garota. Dessa vez ela puxou a conversa:

Garota: Ei, você está inda pra Brasília também?
Hilth: Por quê? Você quer me levar contigo? Kk

Disse isso enquanto sorria e olhava pra ela com suave tom de sarcasmo e brincadeira. Ela aceitou numa boa e fomos conversando. Quando descobrimos que estávamos ambos voltando pra Brasília foi uma sensação ótima. Bom... finalmente eu poderia voltar a falar minhas gírias numa boa e ser entendido. Nisso nós até nos abraçamos de tanta alegria e fomos falando da forma mais natural que podíamos. Parecia que estávamos segurando a língua por dias. Logicamente, além da animação, fiquei com vontade de ficar com ela. Uma gatinha bronzeada, sorridente e cheia de energia. Fiquei afim dela.

Conquistando-a aos poucos
Combinamos de sentar juntos, combinamos de revezar para ficar no acento da janela e quando entramos no ônibus conversamos com a pessoa que trocaria de acento conosco para ficarmos lado a lado. Durante a viagem, entretanto, a garota foi demonstrando ser uma feminista meio chatinha. Completamente defensora das causas femininas ela defendia o “feminismo da dona Maria”, pois dizia que o feminismo das patricinhas esquecia que enquanto elas estavam lá escrevendo livros a dona Maria estava lá lavando e cozinhando pra elas. Ótimo ponto, mas pouco a pouco ela ia ficando meio chata. Chata ao ponto de eu ter praticamente desistido de ficar com ela.
Ela ficava falando sobre como eu era convencido, sobre como a vida não era só sobre charme e flerte, me criticando com argumentos em vários sentidos.

Eu continuava brincando com ela, mas ela me criticava tanto que até desanimava de ficar com ela. Durante a madrugada ela foi para outros dois acentos vazios onde deitou e dormiu. Eu fiquei com os nossos acentos vagos e dormi também, mas logo que paramos na primeira parada do ônibus ela teve que sair, pois um casal havia acabado de embarcar.

Quando ela voltou conversamos por alguns minutos. Ela perguntou:

Garota: Por que você está na janela agora? Hilth: Por que eu sou mais bonito que você.

E então acidentalmente ela derrubou as pernas sobre as minhas ao tentar apoia-las sobre o banco a sua frente. Eu disse para que ela relaxasse e ficasse ali mesmo e, na maior cara de pau, meti a mão nas coxas dela como se fosse a coisa mais normal do mundo.

Fui mexendo nas pernas dela suavemente, lembrando das dicas do Adrian Villar sobre kino e visualizando o decorrer daquela situação. Instante depois eu me debrucei inteiro sobre as pernas dela. Ela colocou as mãos nas minhas costas e ficou massageando suavemente. Com o movimentar do ônibus aquela posição ficou incomoda pra mim. Levantei para me esticar. Ela, vendo isso, disse:

Garota: Se quiser pode deitar a cabeça sobre meu ombro.

Foi ai que eu vi aonde isso ia nos levar. Eu não só deitei minha cabeça sobre os ombros dela. Eu literalmente enfiei meu nariz no pescoço dela na maior cara de pau com a intenção de sentir o cheiro dela.

Respirando perto do pescoço dela ela ficou meio que extasiada, e eu ficava cada vez mais excitado com a ideia de ficar com ela ali mesmo. O cheiro dela ia me motivando cada vez mais, e como eu costumo fazer, ao invés de simplesmente me entregar a vontade de agarrar a mulher eu me seguro um pouco só pra ver até onde eu consigo me segurar. Nesse caso... Foram menos de 5 minutos.

Logo que eu já estava perdido de desejo por ela eu cheguei perto do ouvido dela e sussurrei:

Hilth: Teu cheiro ta me deixando louco pra te dar um beijo.

Não sei qual foi a expressão no rosto dela, afinal, estava escuro, mas sei que na mesmo hora seguimos o ritmo da respiração um do outro. Um pouco de suspense e... KISS CLOSE!

Saboreando aquela linda garota :3
Começamos a nos beijar. E bom... Não para por ai.

Fomos nos enrolando, enrolando, enrolando... E então lembrei de uma lição especial que o Adrian me deu sobre conversas sexuais.

Ele me mostrou que essa coisa de ser poético é legal pra gerar atração sim, estimula as emoções da garota, mas demonstrou também claramente que dizer coisas como “queria sentir você me fazendo um boquete” pode ser muito mais excitante, afinal, se dito na hora certa, demonstra uma confiança enorme. Quem poderia dizer algo assim pra uma mulher se não fosse extremamente confiante de si mesmo?

É algo que eu já faço. Ser romântico e safado ao mesmo tempo, só que ele me mostrou como fazer isso de forma ainda ainda mais direta. Testamos em tempo real com minha namorada e ela simplesmente adorou.

Então, ao invés de excitar a garota com minhas linhas clássicas e poéticas de sedução sussurrada e PNL eu apenas falei as maiores putarias que vieram a minha mente enquanto sussurrava no ouvido dela.

Acho que a primeira coisa que eu disse foi “Poxa, estou louco pra sentir sua buceta molhada no meu pau”. A reação que qualquer homem espera é um tapa na cara, mas no caso dela foi totalmente diferente. Fui tocando o corpo dela e ela foi dizendo coisas no meu ouvido que eu jamais imaginei ouvir de uma mulher.

Ela disse coisas como:

Não sei se vou me segurar com essa vontade de chupar seu pau”

ou

“Quero transar com você, vou te chupar, depois fazer um meia nove, e depois vamos gozar juntos”.

E isso é por que eu to falando o que lembro... Ela praticamente descreveu vários roteiros de pornô no meu ouvido. Entretanto não tinha espaço pra fazer sexo lá. Coloquei os dedos na buceta dela, ela ficou pegando no meu pau e ficamos nos curtindo assim por mais ou menos uma hora.

Eu até tentei tirar o short dela, mas realmente não tinha espaço. Então, depois de nos curtirmos bastante eu a deitei sobre meu colo e dormimos como um casal apaixonado.

Um detalhe, durante todo nosso "amor" eu observei que três poltronas a frente tinha um cara observando tudo atentamente. Era possível ver apenas a silhueta da cabeça dele entre os acentos, afinal, estava bem escuro e silencioso. Pelo que percebi, nossos suspiros e sussurros estavam enchendo todo o ônibus. Ela tentava ser silenciosa, mas não conseguia. Kkk

E ainda tem mais!
Na manhã seguinte, antes dela sair do ônibus, ela ainda ficou deitada sobre mim enquanto me masturbava, e eu fazia questão de gerar muita atração e conforto, deixando-a excitada e super a vontade comigo. Fiquei algum tempo repassando as dicas sobre kino que Adrian me passou e juntando com o discernimento que já tenho a algum tempo.

Eu venho tendo algum sucesso com as mulheres, eu apenas parei de postar nos fóruns por que tenho preferido guardar minhas conquista pra mim mesmo. Me sinto mais reservado assim, afinal, minha vida sexual deveria ser algo pessoal, não? Enfim...

O boot camp talvez seja o ponto final na minha carreira nesse historia de PUA, afinal, a meses que eu deixei de lado esse título e me intitulo apenas como um cara que gosta de mulheres. Aprendi pra caralho no boot camp e a experiência mais louca da minha vida terminou da forma que eu esperava:

 Com uma garota linda gemendo de tesão em meus braços :3

Antes de ir embora a garota me deu o numero do telefone dela, salvou no meu celular e se foi pedindo que eu ligasse pra ela. Um dia talvez eu ligue, afinal, eu tenho namorada. A garota sabia, pois contei isso a ela durante nossa conversa no ônibus. Dizer que eu tinha namorada pareceu a fazer ficar ainda mais interessada em mim... Deve ser o principio da pré-seleção. Não sei ao certo, só sei que foi muito bom curtir a madrugada com ela. Só não consegui descobrir quem era nosso amigo Voyer. Kkk

Finalmente Concluindo...
Bom... Ao chegar em casa eu estava com tanta saudades da minha namorada, e já havíamos trocado tantas mensagens cheias de sacanagem [graças as dicas do Adrian] que eu apenas a busquei em casa, levei pra minha casa e transamos até dormir.

A experiência do Boot Camp foi muito louca, aprendi muito com Adrian e os outros instrutores dele, e Sasha Daygame com certeza é uma figura. O cara é hilário, mas não tive a oportunidade de ver ele em ação. Kkk

Concluindo, essa experiência pra mim foi foda. Sair de Brasília sozinho pela primeira vez na vida com pouca grana e muita loucura na mente, sai dando em cima de um monte de mulher no Rio de Janeiro e melhorando ainda mais o meu poder de seduzir. Poder esse que está muito, mas muito, mas realmente muito além de simplesmente seduzir mulheres. Seduzir é um poder muito maior que isso. Na ultima conversa que tive com Adrian falamos sobre isso, e já está mais do que claro que a habilidade de seduzir é um poder que nos garante vantagem em todas as áreas das nossas vidas. Enfim, esse fds foi foda pra caralho. Agora tenho que me virar para arcar com meus gastos lá... Mas valeu muito a pena. Kkk